¨Guardo para te dar, as cartas que eu não mando¨

"Guardo para te dar/ As cartas que eu não mando/ Conto por contar/ E deixo em algum canto" Sim escrevo muito. Você pode pensar. Mas não é nem metade do que sinto. Porque calei os melhores e os piores sentimentos que tinha por você. Assim mesmo, no passado. Ambos os jeitos. Porque já não sinto nada, embora às vezes sinta sim, uma profunda raiva de ti, de mim. Como pude acreditar em tuas mentiras, sabendo qual seria o fim desse romance que eu inventei? Eu inventei a história e você o personagem, que belos roteiristas somos nós. Escrevemos um romance longo, com final quase previsível, que se tornou ao decorrer do ano uma história de prisão voluntária, quase obsessão, um dramalhão mexicano – minha terapia ainda vai me explicar o fascínio que tenho pelos nomes duplos. O que preciso te dizer, dentre tantas outras coisas, é que não fomos amigos, como você disse que éramos. Prova disso é este silêncio deste de que você encontrou alguém. Eu te contaria agora do meu novo romance ainda mais distante daquele de dois anos. Embora os quilômetros sejam muitos, ainda o sinto mais perto do que sentia você. Tão próximos, e tão distantes. Você confessou que mantinha a distância que achava melhor. Só esqueci-me de te perguntar: melhor pra quem? Você faz drama e me diz para não me culpar. Me culpar pelo que? Por ter tentado amar você? Por ter acreditado que você mereceria esse amor que eu me esforçava para sentir? Me culpar porque você não era nem- de- longe o que achei que era? Me culpar pelo tempo que perdi? Pelas palavras bonitas que tanto te escrevi, e te disse e satisfizeram seu grande ego? Me culpar porque você é um ser digno da minha pena, digno dos piores sentimentos que eu poderia ter? Me culpar porque você é egoísta? Prova que você não me conhece. Esse um ano que passou, não serviu mesmo para nada além de alimentar tua auto-estima, naquele momento baixa. Você não sabe quanta gente já recebeu de mim esse mesmo bem que você acha ter recebido. Você nunca foi meu amor. Eu nunca disse que te amava. E acho, sempre achei, mesmo naquela época, medíocre o modo como eu tentava ignorar os teus defeitos, tuas desculpas para não poder me ver nunca, e exaltava as pequenas coisas boas que você fazia. Eu não queria te escrever. E não havia escrito nada até agora. Mas sabe como é as palavras me sufocam. Você me dizia sobre como sua vida estava uma bagunça. Eu te falava sobre o caos da minha. Fiz de você um momento de calmaria na tempestade dos meus dias. Você me dizia sobre a verdade dos ex-amores seus, e eu não percebi os sinais da tragédia do porvir. Você me dizia sobre teu sonho de ter alguém para fazer sorrir, e mesmo sem saber eu te fui esse alguém. Rio das tuas mentiras. Todos os meus ex são hoje meus amigos. Houve respeito, sinceridade de ambos os lados. Não me enquadrarei na sua lista de ex. Mas serei mais uma a figurar eternamente ausente em tua vida. E você será único, como pretendia desde o início. Um misto de sonho e pesadelo. Era apenas uma brisa noturna, virou o barco da minha segurança quando se tornou tempestade. Um belo drama, uma comédia romântica, novela mexicana, tramas, verdades, mentiras, culpas, outras pessoas envolvidas, traição. Traição tua, e não comigo, com teu amigo. Disseram-me que nossa história daria para escrever um livro. Quem sabe? Você dizia que eu tornava coloridos os teus dias, e você sempre soube que eu prefiro os dias com o céu cinza. Você partiu e eu tomei o cuidado de fechar a porta. Na minha vida você não entra mais. Mas, pela minha experiência, sei que você vai voltar a bater em minha porta, portanto deixei um recado resumindo tudo que eu queria te dizer. E o que eu queria mesmo te dizer é...EU NUNCA TE AMEI IDIOTA. "Acho que não consigo mais chorar Acho que minha dor já não me assusta mais E passei tanto tempo acreditando em sentimentos amordaçados por você Tantas noites acordado procurando meus erros Me culpando por seus medos Sendo que todo o pesadelo foi criado por você
(...) Seja feliz com suas mentiras"
Square
Luana Gabriela 17 /01 e 02/02 - 2010
Participação em Postagem Coletiva.
Confira os outros textos.
*****************
Brisa leve - Aqui!

16 marginálias:

  1. Lua, querida

    acho que vou parar de comentar seus textos, pois acabo ficando repetitiva, mas enfim:
    TEXTO PERFEITO!

    O texto de ontem poderia ser o da postagem coletiva... mas foi so um desabafo.
    Pois como você bem disse... não adianta se despedir, pois ele sempre volta.
    No meu caso, volta espalhando as minhas palavras... que já não são mais dele...

    Também falei demais [rs] mas hoje não foi pra ele.

    Beijo doce!

    ResponderExcluir
  2. Parece que nunca faltam palavras, né?

    ResponderExcluir
  3. Ai juro que hoje vc realmente me fez chorar ...
    PQ la merda como pode seus textos encaixar com tamanha perfeição na minha tragica historia de amor ???

    ResponderExcluir
  4. Forte e visceral, a carta!
    Caramba, muito bom!

    "Nosso amor, a gente inventa pra se distrair. E quando acaba, a gente pensa, que ele nunca existiu", né?

    :)

    ResponderExcluir
  5. Forte e visceral, a carta!
    Caramba, muito bom!

    "Nosso amor, a gente inventa pra se distrair. E quando acaba, a gente pensa, que ele nunca existiu", né?

    :)

    ResponderExcluir
  6. Lembro de mim e das cartas que nunca entreguei...

    E claro concordo com a FÊ!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. O amor mais forte é aquele que é negado.

    Amei a postagem.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Eita, Lu!

    Eu fiquei com pena do rapaz, de verdade. Mas, às vezes é necessário explodir, colocar pra fora, senão vira câncer. Sempre achei isso.

    ResponderExcluir
  9. Ai, quantas vezes já senti isso... eu misturei tanto raiva, desejo, vontade e medo... que quase me perdi.
    Lindo seu texto! Intenso! Gostei muito!
    "Fiz de você um momento de calmaria na tempestade dos meus dias." - ao ler isso, fiquei pensando... eu já fiz e ainda faço com algumas pessoas e acho que também fazem comigo...
    (...)
    Beijos

    http://meninamisteriosa.wordpress.com/
    http://www.aceuabertodaboca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. adorei a postagem, principalmente a parte que poupa os eufemismos haha
    lindo!

    ResponderExcluir
  11. Um desabafo que sempre fica guardado. Sempre há esse sentimento pulsando. Algo que torna, retorna, nos oprime, nos molda. Tudo que nos foi proporcionado, a história que vivemos. É o que dá suporte pra nossa vida, dá substância.

    São importantes emoções que enriquecem nossos olhos. Por mais dor que tenha existido, uma boa lembrança sempre vai ficar, ao menos de um bom aprendizado que nasceu.

    Bonito Texto Luana.

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Certeza de que ainda existe amor aí, caso contrário o rancor já teria dado lugar à indiferença.

    Ótimo texto!

    Beijo, beijo.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  13. A-R-R-A-Z-O-U!

    Pura emoção!
    Sentir, não sentir...
    Merecer ou não...

    Muuito bom!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  14. Pois só me resta uma vontade enorme de dizer que as tuas palavras se encaixam perfeitamente em um passado meu.

    Poderiam ser minhas, as tuas palavras. Ótimas, por sinal.

    Uma carta extremamente íntima.
    Gostei demais.

    Beijo, moça!

    ResponderExcluir
  15. essa coisa de sentir, as (muitas) vezes não faz sentido algum, né mesmo?

    beijocas!

    ResponderExcluir
  16. Bem, ao contrário do que disse a Pâmela, eu não senti pena do garoto, porque ele não merece. Porque ele nem ao menos tem porque se culpar ou se importar.. Só acho que uma hora dá uma canseira de falar - escrever no caso - pra alguém que não se importa. Claro que a escrita serve muitas vezes como refúgio, como escape.. eu a uso assim.. Mas existem momentos em que devemos saber parar. Deixar o passado no lugar ao qual pertence. E quando nem do seu passado fez parte, então deve-se desistir. Passar a viver a sua vida, e deixar com que ele viva a dele. Acho que ele pensa assim também.
    Na verdade, eu sei que pensa..

    ResponderExcluir

Faltou açúcar? Quer um verso de creme?

<< >>