1,2,3

Estou pronta pra morar em você. Pra te deixar morar em mim. Nossas olheiras denunciam: não queremos dormir e perder um segundo do outro. Medimos o tempo em estarmos ou não juntos. O tempo é clichê e passa rápido quando estamos juntos tão devagar quando separados. A gente conversa tanto e eu ainda tenho tanto pra descobrir de você. 

A gente é igual no restaurante chique ou no meio-fio do posto depois do restaurante chique.  A gente ri, fala sobre as notícias da semana. Discute o amor. Você repara que há mais tatuagens em mim que da última vez. É mais que reparar que eu também mudei o cabelo. É mais que lembrar que da última vez ainda tínhamos relacionamentos e que por isso fomos tão cuidadosos em não alimentar nada. Mas a vida fez nossos caminhos se cruzarem de novo. Aqui em estamos. 

Esperando o próximo passo. Pra acreditar de novo. Talvez pela última vez. Uma. Duas. Eternamente.

Tempo

Aqui não é o vinho falando. É a percepção de que o tempo passou. Você costumava ser aquele pra quem eu corria na tempestade, o que me despertava o riso, que me era um porto seguro, o eterno que nunca teve um início. Quase dois anos se passaram desde minhas últimas palavras nada doces, mas extremamente sinceras pra você. Quase dois anos passaram desde sua última frase, a tentativa de me fazer voltar atrás. 

Eu nunca voltei. Você deveria saber. Quantos relacionamentos você me viu acabar ou viu terminarem comigo e nunca houve volta? Espero ter feito você perceber que não é tão diferente assim. Cinco anos de pseudo companheirismo. Eu sempre soube que a gente ia acabar assim. Eu te indiquei o princípio do fim e você não me ouviu. Você nunca me ouviu. 

Mas agora não sou eu falando. É o tempo. São nossos amigos em comum já acostumados a não falar teu nome pra mim e nem de mim pra você. É minha vida completamente diferente desde que você se foi. São as doenças que eu descobri e trato e você sempre achou que eram frescuras. É o apartamento que eu comprei e você nunca achou que eu conseguiria. A CNH. O carro. Os congressos. Os voos. É tanta coisa que eu receio não há mais nada em mim daquela que te conheceu. 

Não há a inocência de acreditar em alma gêmea. Nem em um único amor em toda vida. Não há os sonhos de casamento, filhos. Todos nossos planos não significam mesmo nada pra mim agora. E não há tristeza nisso. Há um senso de realidade que não me perturba, pelo contrário, me liberta. Desde que te disse pra nunca mais me procurar, eu vim me encontrando pelo caminho que você não queria que eu trilhasse. Há escuridão, mas eu tenho uma luz interna que não me deixa temer. 

Dois anos sem você e eu terei o resto da vida pra me conhecer, me satisfazer, pra ser. O tempo passou e só hoje me dei conta.Um amigo me lembrou seu aniversário no próximo mês. E eu nem preciso me desculpar por esquecer. 


Eles não são todos iguais

Os homens não são todos iguais. Você senta na mesa de um bar com uns amigos e umas amigas, dentre eles gente que você acabou de conhecer. Chop desce e chop sobe. O novo cara lembra que já assistiu sua aula conjunta com um dos outros caras que está ali. Nenhum dos dois é o cara que te convidou. 

Chop desce e chop sobe o novo cara pede seu whats e já manda mensagem. Você ignora, o papo está ótimo e você nem lembra do celular. Chop desce e chop sobe o cara novo mostra na tela do celular dele uma mensagem convidando você para ir embora com ele esta noite. Sua resposta é taxativa: não. Parece que ninguém na mesa percebeu o que está acontecendo. 

Até que o cara que te chamou olha pra você e te pergunta se você não quer sair com ele, diz que hoje você está incrível, do jeito que ele gosta. Você diz que já está saindo com ele, inclusive naquele momento está lá porque ele chamou. Chop desce e chop sobe. Poliamor, monogamia, moral, a história do amor, a linguística do amor. PA. Amizade Colorida. Confissões. Um deles confessa um poliamor, o outro que tem um filho em outro estado. Elas que já tiveram PA. Você não vê diferença entre PA e amizade colorida. "Eu queria me encantar por alguém de novo", você confessa. Chop desce e chop sobe. A mão escorrega. O sorriso solta. O olhar demora. 

Os homens não são todos iguais. Um te chamou e ensinou o caminho de volta. Um queria dormir contigo na noite em que te conheceu. Outro se ofereceu pra pagar a próxima. O último se preocupou em te levar até seu carro e confirmar se você chegou bem. 


>>