Que seja real, doce e eterno



Que seja tudo que ainda não veio, não foi. Embora as cenas se repitam, mãos dadas, beijos escondidos, namoro escondido – é muito cedo pra alguém saber – que seja tudo que os outros não foram. Real que eu possa tocar, que seja concreto como o substantivo Deus, e que seja eterno. Que os dias passem lentos, os anos rápidos, que nós dois não passemos nunca.

Que seja doce, não como o chocolate da páscoa, mas como aquela última bala esquecida no bolso. Doce, surpreendente e raro. Não importa como, importa que seja. Abraços doces e macios como marshmallows. Beijos doces e viciantes como café com creme.

Que seja eterno, como hoje já quase nada é. Somos. Seremos juntos, a eternidade nos segundos de abrigo, a eternidade revelada no nosso amor fazendo eco, preenchendo esse vazio da humanidade, a eternidade dentro e fora da nossa casa. Que seja real, doce e eterno como só Deus, que é amor, consegue ser.


Luana Gabriela
20/02/2011

6 marginálias:

  1. Amém, amém!

    "Que seja real, doce e eterno como só Deus, que é amor, consegue ser."

    ResponderExcluir
  2. Uau.
    Acho que você resumiu bem o que ando procurando. É um amor doce, puro e sincero. A definição perfeita do amor que busco, Luana. Acredito, que jamais, poderia descrever de maneira tão doce assim como tu descrevestes. É isso que eu quero também, um amor eterno como só Deus consegue ser.

    ResponderExcluir
  3. tuas palavras acariciam...
    senti a primavera nos desenhos de teus pensamentos.

    seja-se então!

    um beijo.

    ResponderExcluir

Faltou açúcar? Quer um verso de creme?

<< >>