Se soubesse seu nome, seria o título deste texto



Sinto falta de um sorriso, de uma voz em meu ouvido. De dedos dedilhando meu cabelo, de massagem nos meus dedos, de repouso pro meu amor. Porque eu mesmo quando não estou amando, ainda amo. Sinto falta de acordar e ganhar beijos nos olhos, de alguém reparando na cor do meu esmalte toda semana, de alguém reclamando que passei gloss. Sinto falta de sms´s com músicas inusitadas pra falar dos sentimentos mais clichês, sinto falta de entender porque eu, se eu não sou ninguém.

Sinto falta de receber ligações curtas e muito significativas “liguei pra dizer que te amo, tchau”. Sinto falta de ter de dar explicações: Como assim está namorando e não me diz? Sinto falta de ter vontade de assistir filmes, ou de dormir no ombro aconchegante na sala do cinema. Eu sinto falta de mim quando amo. Do mundo bonito e cheio de esperança que eu vejo mesmo quando assisto telejornal. Sinto falta de abraço, de colo, de pequenas brigas e até de longas discussões. Sinto falta de não ter o que responder quando me perguntavam: Pra onde está indo esse relacionamento?

Sinto falta de ter alguém em quem pensar antes de dormir e logo ao acordar. Sinto falta de ter vontade de ler textos românticos – eu não leio mais – nem vejo filmes bonitos. O que eu ando lendo mesmo são cadernos de economia e filmes de ação, eu levanto pra pegar pipoca nas cenas bonitas. Eu não quero ver o que eu não vivo mais.

O mais triste, ou talvez não, é que não sinto falta dele. Do ex. Sinto falta de parte do que ele me dava, mas mais ainda, sinto falta do que ele não soube me dar. Sinto sede de proteção, segurança, mimo, romance. Um amor que transborde, não só em mim. Um amor de mais ações e menos palavras. Mais voz e menos e-mails. Mais domingo à tarde, que segunda à noite. Talvez menos intenso e mais longo, quem sabe pra sempre? Um amor mais possível. Um amor menos dramático, que eu não precise simplesmente abandonar tudo que sou e acredito. Um amor em que eu possa ser eu. Um amor em que ele possa ser ele e que me seja o suficiente. Que eu não cobre o que ele não pode me dar. Que eu apenas sinta sede da água que posso beber.


Luana Gabriela
22/12/2010

“Já não me lembro do seu rosto
Depois de tanto tempo, nem consigo ouvir sua voz
Já não tenho mais certeza se o passado é real
Quando não restam vestígios que provem que não enlouqueci”.
Esquizofrenia – Square


***********************************
Leia entrevista exclusiva: Martha Medeiros fala sobre seu novo livro Fora de mim e comenta os rumos da literatura nacional - AQUI


9 marginálias:

  1. Há poucos dias fiz um texto que tem haver com o seu.
    No meu texto eu dizia estar com saudade do amor, de quando se ama, e não de alguém específico.
    Acho que é isso aí, que vc está tentando dizer tbm...
    Ótimo jeito de usar as palavras!

    ResponderExcluir
  2. Deus, como ela lê pensamentos e sentimentos?

    Sinto falta de dormir de conchinha e me sentir aquecida.

    Adorei o post mesmo, talvez porque sinto tudo que dizes sentir, ou talvez porque você escreve muito bem.

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  3. lindo texto.
    Sei como é sentir essa falta,
    mas hoje não sinto mais,
    vc tbm não vai sentir,
    vai ter tudo aquilo que sonha e almeja.um amor claro e possível.
    bjoo

    ResponderExcluir
  4. eitxa, texto lindo!

    Feliz natal viu! bjs

    ResponderExcluir
  5. Sempre passo aqui mas nunca comentei... Você escreve muito bem, sério. É um terrível clichê, o amor, não acha? Mas você escreve sobre isso de uma forma polida e nada comum.

    O que dizer? Parabens, eu acho. E por favor continue escrevendo. =)

    ResponderExcluir
  6. Há muito tempo não comento em algum blog, parece que os textos não me tocam mais como antes. Mas quando li esse senti a necessidade de comentar. É incrivel, bem escrito, e mais importante de tudo: verdadeiro. Me identifiquei demais, parabéns.

    ResponderExcluir

Faltou açúcar? Quer um verso de creme?

<< >>